Líder espiritual estuprava e dizia que era para equilibrar chacras, dizem vítimas

  • Icon instagram_blue
  • Icon youtube_blue
  • Icon x_blue
  • Icon facebook_blue
  • Icon google_blue

Um líder espiritual é acusado de abusos sexuais e psicológicos por pelo menos 14 mulheres em Salvador, na Bahia. Jair Tércio Cunha Costa, de 63 anos, é ex-grão mestre de uma loja maçônica naquele estado e desenvolveu uma doutrina pedagógica que é estudada em retiros espirituais promovidos por ele próprio. O caso é investigado pelo Ministério […]

POR Redação SRzd03/08/2020|3 min de leitura

Líder espiritual estuprava e dizia que era para equilibrar chacras, dizem vítimas

Jair Tércio Cunha Costa. Foto: Reprodução de Internet

| Siga-nos Google News

Um líder espiritual é acusado de abusos sexuais e psicológicos por pelo menos 14 mulheres em Salvador, na Bahia. Jair Tércio Cunha Costa, de 63 anos, é ex-grão mestre de uma loja maçônica naquele estado e desenvolveu uma doutrina pedagógica que é estudada em retiros espirituais promovidos por ele próprio.

O caso é investigado pelo Ministério Público da Bahia. Jair Tércio nega as acusações. As informações foram veiculadas neste domingo em uma reportagem do programa “Fantástico”, da Rede Globo.

A primeira vítima a denunciar os abusos diz que entrou para o que chama de “seita” maçom por intermédio de um namorado. Ela tinha 16 anos, e logo depois engravidou. Foi naquele momento que buscou o apoio de Jair Tércio.

“A partir daí eu perdi minha vida”, contou a vítima. “Não pude escolher profissão, ele determinou que era pedagogia. Fui obrigada a trabalhar na escola que ele fundou, me afastei de minha mãe por ordem dele, tive que mudar celular, apagar e-mail e criar outro e-mail para que ninguém da minha vida tivesse contato comigo”, completou.

Ela contou que ficou de 2002 a 2014 sob os abusos do líder da seita. Tércio, segundo a vítima, dizia que precisava fazer sexo com ela para equilibrar os chacras da jovem : “Me sentia péssima após os estupros. Chegava em casa e vomitava. E, com isso, eu me afastei mais ainda de todo mundo. Inclusive das pessoas da seita, porque ele fala que ninguém é confiável, que a gente só pode confiar nele.”

Os estupros, disse a vítima, duraram cinco anos. Ela contou ainda que sofria “terrorismo psicológico” e que Tércio a ameaçava de retaliação espiritual.

“Ele nunca disse que faria algo contra quem saísse, mas que a espiritualidade resolveria. Dizia: ‘A espiritualidade vai te cobrar porque você teve a chance de viver perto de um iluminado e não aceitou’”.

A investigação começou após as denúncias chegarem ao Projeto Justiceiras — movimento criado na pandemia que reúne mais de três mil voluntárias, entre advogadas, psicólogas e assistentes sociais — e à Ouvidoria das Mulheres, do Conselho Nacional do Ministério Público.

“São vítimas mulheres, e o que mais chama atenção é que esses abusos ocorrem por um longo período, fazendo com que elas entendam que aquilo faz parte de um ritual, de um tratamento”, disse ao “Fantástico” Gabriella Manssur, promotora de São Paulo e voluntária do Justiceiras.

O advogado de Tércio, Fabiano Pimentel, afirmou à TV Globo que seu cliente alega ter tido relações consensuais com essas mulheres. “Ele afirma que por ser um homem solteiro teve alguns relacionamentos amorosos, mas que em nenhum momento houve qualquer tipo de violência, seja psicológica ou física, a ensejar qualquer tipo de crime”.

A Grande Loja Maçônica da Bahia informou, em nota, que suspendeu os direitos maçônicos de Jair Tércio.










Um líder espiritual é acusado de abusos sexuais e psicológicos por pelo menos 14 mulheres em Salvador, na Bahia. Jair Tércio Cunha Costa, de 63 anos, é ex-grão mestre de uma loja maçônica naquele estado e desenvolveu uma doutrina pedagógica que é estudada em retiros espirituais promovidos por ele próprio.

O caso é investigado pelo Ministério Público da Bahia. Jair Tércio nega as acusações. As informações foram veiculadas neste domingo em uma reportagem do programa “Fantástico”, da Rede Globo.

A primeira vítima a denunciar os abusos diz que entrou para o que chama de “seita” maçom por intermédio de um namorado. Ela tinha 16 anos, e logo depois engravidou. Foi naquele momento que buscou o apoio de Jair Tércio.

“A partir daí eu perdi minha vida”, contou a vítima. “Não pude escolher profissão, ele determinou que era pedagogia. Fui obrigada a trabalhar na escola que ele fundou, me afastei de minha mãe por ordem dele, tive que mudar celular, apagar e-mail e criar outro e-mail para que ninguém da minha vida tivesse contato comigo”, completou.

Ela contou que ficou de 2002 a 2014 sob os abusos do líder da seita. Tércio, segundo a vítima, dizia que precisava fazer sexo com ela para equilibrar os chacras da jovem : “Me sentia péssima após os estupros. Chegava em casa e vomitava. E, com isso, eu me afastei mais ainda de todo mundo. Inclusive das pessoas da seita, porque ele fala que ninguém é confiável, que a gente só pode confiar nele.”

Os estupros, disse a vítima, duraram cinco anos. Ela contou ainda que sofria “terrorismo psicológico” e que Tércio a ameaçava de retaliação espiritual.

“Ele nunca disse que faria algo contra quem saísse, mas que a espiritualidade resolveria. Dizia: ‘A espiritualidade vai te cobrar porque você teve a chance de viver perto de um iluminado e não aceitou’”.

A investigação começou após as denúncias chegarem ao Projeto Justiceiras — movimento criado na pandemia que reúne mais de três mil voluntárias, entre advogadas, psicólogas e assistentes sociais — e à Ouvidoria das Mulheres, do Conselho Nacional do Ministério Público.

“São vítimas mulheres, e o que mais chama atenção é que esses abusos ocorrem por um longo período, fazendo com que elas entendam que aquilo faz parte de um ritual, de um tratamento”, disse ao “Fantástico” Gabriella Manssur, promotora de São Paulo e voluntária do Justiceiras.

O advogado de Tércio, Fabiano Pimentel, afirmou à TV Globo que seu cliente alega ter tido relações consensuais com essas mulheres. “Ele afirma que por ser um homem solteiro teve alguns relacionamentos amorosos, mas que em nenhum momento houve qualquer tipo de violência, seja psicológica ou física, a ensejar qualquer tipo de crime”.

A Grande Loja Maçônica da Bahia informou, em nota, que suspendeu os direitos maçônicos de Jair Tércio.










Notícias Relacionadas

Ver tudo
Abin espionou autoridades do Judiciário, do Legislativo e jornalistas; veja nomes

Investigação da Policia Federal aponta que agentes lotados na Agência Brasileira de Inteligência (Abin) utilizaram ferramentas de espionagem adquiridas pelo órgão para monitorar os movimentos de autoridades do Judiciário, do Legislativo e da Receita Federal, além de personalidades públicas, como jornalistas. Os atos irregulares teriam ocorrido durante o governo de Jair Bolsonaro. O resultado das […]

Abin espionou autoridades do Judiciário, do Legislativo e jornalistas; veja nomes

8 min de leitura