‘Queremos transformar o Brasil em um canteiro de obras’, diz Lula no Catar

  • Icon instagram_blue
  • Icon youtube_blue
  • Icon x_blue
  • Icon facebook_blue
  • Icon google_blue

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva participou, na manhã desta quinta-feira (30), de um Fórum Empresarial em Doha, no Catar, em que buscou atrair investimentos para o Programa de Aceleração do Crescimento. “Queremos transformar o Brasil em um canteiro de obras, construindo, ampliando e modernizando portos, aeroportos, rodovias, ferrovias, hidrovias”, disse ele. Em sua […]

POR Redação SRzd30/11/2023|5 min de leitura

‘Queremos transformar o Brasil em um canteiro de obras’, diz Lula no Catar

Lula no Fórum Empresarial e Comercial Brasil-Catar, em Doha. Foto: Ricardo Stuckert

| Siga-nos Google News

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva participou, na manhã desta quinta-feira (30), de um Fórum Empresarial em Doha, no Catar, em que buscou atrair investimentos para o Programa de Aceleração do Crescimento.

“Queremos transformar o Brasil em um canteiro de obras, construindo, ampliando e modernizando portos, aeroportos, rodovias, ferrovias, hidrovias”, disse ele.

Em sua fala, Lula também destacou a importância de vender produtos brasileiros, como os aviões da Embraer. “Há amplo espaço para a ampliação e diversificação de nossa pauta comercial com produtos de maior valor agregado, como autopeças, produtos de defesa e aeronaves da EMBRAER – como o C-390 que me trouxe a Doha”, afirmou.

Leia a íntegra do discurso:

É uma grande satisfação retornar a Doha e participar deste Fórum Empresarial.

Tive a honra de ser o primeiro presidente brasileiro a visitar o Catar, em 2010.

Trazer de volta o Brasil à região é o propósito desta minha minha visita.

O Brasil necessita estar mais presente no Golfo, região com a qual compartilhamos importantes interesses comerciais e laços culturais e históricos.

Esta missão antecipa as celebrações do cinquentenário das relações diplomáticas bilaterais.

Compartilhamos a vocação pela paz.

O Catar é um ator diplomático relevante graças a sua política externa de perfil ativo e independente.

É um interlocutor-chave em vários temas de amplitude regional e global.

Neste momento, em que a guerra volta a assolar o Oriente Médio, o Catar volta a desempenhar papel central em prol da paz no conflito Israel-Palestina.

Quero saudar a mediação do Catar para o acordo anunciado há poucos dias entre Israel e o Hamas, que envolve a libertação de reféns (mulheres e crianças) em troca de uma trégua temporária e da libertação de prisioneiros palestinos (mulheres e crianças).

Senhoras e senhores empresários,

Hoje retorno com grande alegria para novamente abrir portas e construir pontes entre nossos países.

Em meu primeiro mandato lançamos as bases para a aproximação comercial do Brasil com os países árabes.

Abrimos embaixadas na região e acolhemos novas representações em Brasília.

Lançamos a Cúpula América do Sul – Países Árabes, cuja segunda edição foi realizada aqui em Doha, em 2009.

O comércio bilateral cresceu de maneira exponencial, passando de cerca de 38 milhões de dólares, em 2003, para os atuais 1,6 bilhão de dólares.

O Catar é, atualmente, uma de nossas principais portas de entrada para negócios com o Oriente Médio e conta com um vibrante empresariado com intenso interesse pelo Brasil.

Os empresários brasileiros acreditam no potencial do Catar e no futuro de seus negócios.

Esse interesse encontra respaldo na forte complementariedade entre nossas economias.

O Catar desempenha um papel fundamental para a agricultura brasileira como fornecedor de ureia, que tanto contribui para a elevada produtividade nacional.

O Brasil, como um dos maiores produtores e exportadores de alimentos, vem contribuindo de modo constante para a segurança alimentar catariana.

Nossos produtos são reconhecidos pela alta qualidade, preços competitivos e garantia de fornecimento.

Estamos comprometidos com uma agricultura sustentável e alinhada com as melhores práticas em matéria ambiental.

Mantemos um manejo cuidadoso e criterioso dos produtos halal, com respeito pelos ritos islâmicos e pela cultura catariana.

Há amplo espaço para a ampliação e diversificação de nossa pauta comercial com produtos de maior valor agregado, como autopeças, produtos de defesa e aeronaves da EMBRAER – como o C-390 que me trouxe a Doha.

O Brasil também está implementando medidas de facilitação de comércio como um sistema eletrônico de validação e assinatura de documentos para operações de comércio bilateral.

Com esse sistema – que já está em vigor em nosso comércio com o Egito e a Jordânia – teremos o potencial de reduzir os prazos e os custos das transações comerciais entre o Brasil e o Catar.

Também queremos olhar juntos para o futuro e atrair uma nova onda de investimento para o Brasil.

O aperfeiçoamento da infraestrutura é um desafio urgente que o Brasil deve enfrentar para consolidar seu desenvolvimento.

Lançamos neste primeiro ano do meu governo o novo PAC, que contempla oportunidades de investimentos abertas e atrativas para estrangeiros.

Queremos transformar o Brasil em um canteiro de obras, construindo, ampliando e modernizando portos, aeroportos, rodovias, ferrovias, hidrovias.

Vamos superar os gargalos que minam a competitividade brasileira.

Foi graças a investimentos públicos massivos em pesquisa científica, que o Brasil se transformou em menos de cinquenta anos em uma potência agroambiental, que produz alimentos, gera riqueza e alavanca o desenvolvimento regional.

A transição energética é uma nova oportunidade de repetir essa história de sucesso nas áreas de energia de baixo carbono, reaproveitamento de resíduos, infraestruturas verdes e sociobiodiversidade.

O Brasil vai ser em breve um exportador de sustentabilidade.

Temos imenso potencial nos setores de energia solar, eólica, biocombustíveis e hidrogênio verde.

Senhoras e Senhores,

Parto hoje para a COP-28, onde lançarei um chamado à ação e à ambição no enfrentamento à crise climática. Estou certo de que o Catar também poderá ser um aliado importante nessa agenda.

Mais do que fortalecer os laços de amizade que nos unem, acredito que Catar e Brasil podem atuar juntos em prol da paz e por um mundo mais justo, próspero e sustentável.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva participou, na manhã desta quinta-feira (30), de um Fórum Empresarial em Doha, no Catar, em que buscou atrair investimentos para o Programa de Aceleração do Crescimento.

“Queremos transformar o Brasil em um canteiro de obras, construindo, ampliando e modernizando portos, aeroportos, rodovias, ferrovias, hidrovias”, disse ele.

Em sua fala, Lula também destacou a importância de vender produtos brasileiros, como os aviões da Embraer. “Há amplo espaço para a ampliação e diversificação de nossa pauta comercial com produtos de maior valor agregado, como autopeças, produtos de defesa e aeronaves da EMBRAER – como o C-390 que me trouxe a Doha”, afirmou.

Leia a íntegra do discurso:

É uma grande satisfação retornar a Doha e participar deste Fórum Empresarial.

Tive a honra de ser o primeiro presidente brasileiro a visitar o Catar, em 2010.

Trazer de volta o Brasil à região é o propósito desta minha minha visita.

O Brasil necessita estar mais presente no Golfo, região com a qual compartilhamos importantes interesses comerciais e laços culturais e históricos.

Esta missão antecipa as celebrações do cinquentenário das relações diplomáticas bilaterais.

Compartilhamos a vocação pela paz.

O Catar é um ator diplomático relevante graças a sua política externa de perfil ativo e independente.

É um interlocutor-chave em vários temas de amplitude regional e global.

Neste momento, em que a guerra volta a assolar o Oriente Médio, o Catar volta a desempenhar papel central em prol da paz no conflito Israel-Palestina.

Quero saudar a mediação do Catar para o acordo anunciado há poucos dias entre Israel e o Hamas, que envolve a libertação de reféns (mulheres e crianças) em troca de uma trégua temporária e da libertação de prisioneiros palestinos (mulheres e crianças).

Senhoras e senhores empresários,

Hoje retorno com grande alegria para novamente abrir portas e construir pontes entre nossos países.

Em meu primeiro mandato lançamos as bases para a aproximação comercial do Brasil com os países árabes.

Abrimos embaixadas na região e acolhemos novas representações em Brasília.

Lançamos a Cúpula América do Sul – Países Árabes, cuja segunda edição foi realizada aqui em Doha, em 2009.

O comércio bilateral cresceu de maneira exponencial, passando de cerca de 38 milhões de dólares, em 2003, para os atuais 1,6 bilhão de dólares.

O Catar é, atualmente, uma de nossas principais portas de entrada para negócios com o Oriente Médio e conta com um vibrante empresariado com intenso interesse pelo Brasil.

Os empresários brasileiros acreditam no potencial do Catar e no futuro de seus negócios.

Esse interesse encontra respaldo na forte complementariedade entre nossas economias.

O Catar desempenha um papel fundamental para a agricultura brasileira como fornecedor de ureia, que tanto contribui para a elevada produtividade nacional.

O Brasil, como um dos maiores produtores e exportadores de alimentos, vem contribuindo de modo constante para a segurança alimentar catariana.

Nossos produtos são reconhecidos pela alta qualidade, preços competitivos e garantia de fornecimento.

Estamos comprometidos com uma agricultura sustentável e alinhada com as melhores práticas em matéria ambiental.

Mantemos um manejo cuidadoso e criterioso dos produtos halal, com respeito pelos ritos islâmicos e pela cultura catariana.

Há amplo espaço para a ampliação e diversificação de nossa pauta comercial com produtos de maior valor agregado, como autopeças, produtos de defesa e aeronaves da EMBRAER – como o C-390 que me trouxe a Doha.

O Brasil também está implementando medidas de facilitação de comércio como um sistema eletrônico de validação e assinatura de documentos para operações de comércio bilateral.

Com esse sistema – que já está em vigor em nosso comércio com o Egito e a Jordânia – teremos o potencial de reduzir os prazos e os custos das transações comerciais entre o Brasil e o Catar.

Também queremos olhar juntos para o futuro e atrair uma nova onda de investimento para o Brasil.

O aperfeiçoamento da infraestrutura é um desafio urgente que o Brasil deve enfrentar para consolidar seu desenvolvimento.

Lançamos neste primeiro ano do meu governo o novo PAC, que contempla oportunidades de investimentos abertas e atrativas para estrangeiros.

Queremos transformar o Brasil em um canteiro de obras, construindo, ampliando e modernizando portos, aeroportos, rodovias, ferrovias, hidrovias.

Vamos superar os gargalos que minam a competitividade brasileira.

Foi graças a investimentos públicos massivos em pesquisa científica, que o Brasil se transformou em menos de cinquenta anos em uma potência agroambiental, que produz alimentos, gera riqueza e alavanca o desenvolvimento regional.

A transição energética é uma nova oportunidade de repetir essa história de sucesso nas áreas de energia de baixo carbono, reaproveitamento de resíduos, infraestruturas verdes e sociobiodiversidade.

O Brasil vai ser em breve um exportador de sustentabilidade.

Temos imenso potencial nos setores de energia solar, eólica, biocombustíveis e hidrogênio verde.

Senhoras e Senhores,

Parto hoje para a COP-28, onde lançarei um chamado à ação e à ambição no enfrentamento à crise climática. Estou certo de que o Catar também poderá ser um aliado importante nessa agenda.

Mais do que fortalecer os laços de amizade que nos unem, acredito que Catar e Brasil podem atuar juntos em prol da paz e por um mundo mais justo, próspero e sustentável.

Notícias Relacionadas

Ver tudo
Abin espionou autoridades do Judiciário, do Legislativo e jornalistas; veja nomes

Investigação da Policia Federal aponta que agentes lotados na Agência Brasileira de Inteligência (Abin) utilizaram ferramentas de espionagem adquiridas pelo órgão para monitorar os movimentos de autoridades do Judiciário, do Legislativo e da Receita Federal, além de personalidades públicas, como jornalistas. Os atos irregulares teriam ocorrido durante o governo de Jair Bolsonaro. O resultado das […]

Abin espionou autoridades do Judiciário, do Legislativo e jornalistas; veja nomes

8 min de leitura