Vídeo: policial agride grávida por desconfiar que ela estaria gravando abordagem

  • Icon instagram_blue
  • Icon youtube_blue
  • Icon x_blue
  • Icon facebook_blue
  • Icon google_blue

Um vídeo circula nas redes sociais mostra uma policial militar agredindo uma mulher grávida enquanto tentava imobilizá-la ao chão, em São José do Rio Preto, cidade a cerca de 490 quilômetros da capital paulista. Com o joelho na barriga da mulher, que já estava imobilizada e no chão, o agente dá um tapa no rosto […]

POR Redação SRzd05/02/2020|3 min de leitura

Vídeo: policial agride grávida por desconfiar que ela estaria gravando abordagem

PM agride grávida por desconfiar que ela estaria gravando abordagem policial. Foto: Reprodução de Internet

| Siga-nos Google News

Um vídeo circula nas redes sociais mostra uma policial militar agredindo uma mulher grávida enquanto tentava imobilizá-la ao chão, em São José do Rio Preto, cidade a cerca de 490 quilômetros da capital paulista.

Com o joelho na barriga da mulher, que já estava imobilizada e no chão, o agente dá um tapa no rosto dela. O caso ocorreu na tarde desta terça-feira (4), na Rua 19, que fica no bairro Santo Antônio. Grávida de cinco meses, ela ainda foi enforcada pelo pescoço.

De acordo com reportagem do UOL, uma testemunha afirmou que a mulher foi agredida porque filmava os policiais enquanto abordavam um suspeito de traficar drogas. Vale destacar que o ato de filmar não é crime.

Enquanto as testemunhas pediam que ela fosse liberada, o PM, identificado como Viana, afirmava que ela estava detida pelos crimes de desacato e de resistência. A mulher foi levada para a Central de Flagrantes, da Polícia Civil e encaminhada ao Hospital da Criança e da Maternidade, onde passa bem.

Nas imagens, ainda é possível ver que moradores que presenciam a agressão pedem para o policial parar, dizendo que a mulher está grávida. Em seguida, ele diz que ela está presa e as testemunhas voltam a pedir para ele parar de pisar na barriga dela. A mulher ainda tenta argumentar dizendo que não está resistindo à prisão e, sim, às agressões cometidas pelo policial.

Boletim de Ocorrência

De acordo com o boletim de ocorrência, policiais alegaram que faziam patrulhamento de rotina pelo bairro quando viram um adolescente entregando um objeto para um homem e decidiram abordá-los. Durante revista, porções de maconha foram encontradas com o adolescente.

Enquanto os policiais questionavam o adolescente, a mulher grávida teria ofendido os policiais com xingamentos, motivo pelo qual os policiais decidiram abordá-la.

Ao se aproximar, ainda conforme o boletim de ocorrência, a mulher teria agredido um dos policiais. Eles informaram, segundo o registro, que houve necessidade do uso de técnicas e força para jogá-la ao solo e imobilizá-la.

Afastamento

O governador João Doria publicou uma nota nas redes sociais afirmando que recomendou o imediato afastamento do policial militar flagrado durante abordagem a uma mulher grávida. O outro policial que estavam na ocorrência também foi afastado das ruas para a investigação do caso, segundo a PM.

O Comando do 17º Batalhão informou que já foram tomadas providências para o devido registro dos fatos que serão devidamente apurados. Em nota, a PM afirma que é de interesse a correta apuração de qualquer fato relativo aos procedimentos realizados.

Um vídeo circula nas redes sociais mostra uma policial militar agredindo uma mulher grávida enquanto tentava imobilizá-la ao chão, em São José do Rio Preto, cidade a cerca de 490 quilômetros da capital paulista.

Com o joelho na barriga da mulher, que já estava imobilizada e no chão, o agente dá um tapa no rosto dela. O caso ocorreu na tarde desta terça-feira (4), na Rua 19, que fica no bairro Santo Antônio. Grávida de cinco meses, ela ainda foi enforcada pelo pescoço.

De acordo com reportagem do UOL, uma testemunha afirmou que a mulher foi agredida porque filmava os policiais enquanto abordavam um suspeito de traficar drogas. Vale destacar que o ato de filmar não é crime.

Enquanto as testemunhas pediam que ela fosse liberada, o PM, identificado como Viana, afirmava que ela estava detida pelos crimes de desacato e de resistência. A mulher foi levada para a Central de Flagrantes, da Polícia Civil e encaminhada ao Hospital da Criança e da Maternidade, onde passa bem.

Nas imagens, ainda é possível ver que moradores que presenciam a agressão pedem para o policial parar, dizendo que a mulher está grávida. Em seguida, ele diz que ela está presa e as testemunhas voltam a pedir para ele parar de pisar na barriga dela. A mulher ainda tenta argumentar dizendo que não está resistindo à prisão e, sim, às agressões cometidas pelo policial.

Boletim de Ocorrência

De acordo com o boletim de ocorrência, policiais alegaram que faziam patrulhamento de rotina pelo bairro quando viram um adolescente entregando um objeto para um homem e decidiram abordá-los. Durante revista, porções de maconha foram encontradas com o adolescente.

Enquanto os policiais questionavam o adolescente, a mulher grávida teria ofendido os policiais com xingamentos, motivo pelo qual os policiais decidiram abordá-la.

Ao se aproximar, ainda conforme o boletim de ocorrência, a mulher teria agredido um dos policiais. Eles informaram, segundo o registro, que houve necessidade do uso de técnicas e força para jogá-la ao solo e imobilizá-la.

Afastamento

O governador João Doria publicou uma nota nas redes sociais afirmando que recomendou o imediato afastamento do policial militar flagrado durante abordagem a uma mulher grávida. O outro policial que estavam na ocorrência também foi afastado das ruas para a investigação do caso, segundo a PM.

O Comando do 17º Batalhão informou que já foram tomadas providências para o devido registro dos fatos que serão devidamente apurados. Em nota, a PM afirma que é de interesse a correta apuração de qualquer fato relativo aos procedimentos realizados.

Notícias Relacionadas

Ver tudo
Abin espionou autoridades do Judiciário, do Legislativo e jornalistas; veja nomes

Investigação da Policia Federal aponta que agentes lotados na Agência Brasileira de Inteligência (Abin) utilizaram ferramentas de espionagem adquiridas pelo órgão para monitorar os movimentos de autoridades do Judiciário, do Legislativo e da Receita Federal, além de personalidades públicas, como jornalistas. Os atos irregulares teriam ocorrido durante o governo de Jair Bolsonaro. O resultado das […]

Abin espionou autoridades do Judiciário, do Legislativo e jornalistas; veja nomes

8 min de leitura