Imperatriz celebra parceria com Ilê Axé Iyá Nassô Oká, o primeiro terreiro do Brasil

  • Icon instagram_blue
  • Icon youtube_blue
  • Icon x_blue
  • Icon facebook_blue
  • Icon google_blue

Rio. Após visita da diretoria da Imperatriz Leopoldinense e do carnavalesco Leandro Vieira às principais casas de candomblé da Bahia, o Terreiro Casa Branca do Engenho Velho (Ilê Axé Iyá Nassô Oká), o primeiro do Brasil, confirmou, nesta quarta-feira (8), que irá colaborar com as informações ligadas ao enredo 2025 da escola; ÓMI TÚTÚ AO […]

POR Redação SRzd09/05/2024|2 min de leitura

Imperatriz celebra parceria com Ilê Axé Iyá Nassô Oká, o primeiro terreiro do Brasil
| Siga-nos Google News

Rio. Após visita da diretoria da Imperatriz Leopoldinense e do carnavalesco Leandro Vieira às principais casas de candomblé da Bahia, o Terreiro Casa Branca do Engenho Velho (Ilê Axé Iyá Nassô Oká), o primeiro do Brasil, confirmou, nesta quarta-feira (8), que irá colaborar com as informações ligadas ao enredo 2025 da escola; ÓMI TÚTÚ AO OLÚFON- Água fresca para o Senhor de Ifón.

“No mês passado, a presidente Catia Drumond e Leandro estiveram no terreiro para se aprofundar nos conhecimentos e saberes da temática, e foram recebidos pela Ekedi Sinha e por um Mogbá da casa, senhor Antônio Luís. O carnavalesco, responsável pelo o desenvolvimento do enredo que irá para a Marquês de Sapucaí, festeja a parceria e se sente privilegiado pela possibilidade de consultar o tão respeitado patrimônio religioso e cultural brasileiro, resguardado pela história da Casa Branca, fundada na primeira metade do século XIX, e hoje sob liderança da ialorixá Mãe Neuza de Xangô Aganjù”, informou a agremiação.

“O Terreiro Casa Branca guarda a oralidade de tradições ancestrais. Ter contato com quem faz o sagrado vivo é ter acesso a uma imensa biblioteca de bocas que guardam palavras, como quem guarda livros de valor incalculável. Para mim, que tenho gosto pela pesquisa, desfrutar da possibilidade de acesso à sabedoria da casa é poder exercer a atividade de enredista e carnavalesco de mãos dadas com o respeito e a reverência”, afirma Leandro.

O terreiro Casa Branca do Engenho Velho foi tombado pelo IPHAN em 1984, e é o primeiro monumento da cultura negra a ser considerado Patrimônio Histórico do Brasil, além de ser aclamado como a “mãe de todas as casas de santo da Bahia”.

Notícias Relacionadas

Ver tudo