CULTURA: Bolshoi vive seu canto do cisne

  • Icon instagram_blue
  • Icon youtube_blue
  • Icon x_blue
  • Icon facebook_blue
  • Icon google_blue

Um dos mais importantes teatros do mundo está desabando, e nem um ano de reformas conseguiu restituir-lhe o brilho original.

POR Redação SRzd19/06/2006|2 min de leitura

CULTURA: Bolshoi vive seu canto do cisne
| Siga-nos Google News

O Teatro Bolshoi, por muitos considerado o mais belo do mundo, mais parece agora um canteiro de obras abandonado. Depois de um ano fechado para reformas, os responsáveis por trazer de volta o brilho espetacular do edifício inaugurado há 180 anos foram surpreendidos pelo grave estado de degradação do edifício ‘ e temem por sua integridade.

Segundo o jornal espanhol “El Mundo”, mesmo funcionando precariamente num anexo (de 800 acentos, contra os dois mil originais), atores e bailarinos contam com estrutura precária até mesmo para se vestirem.

O trabalho de restauração ‘ mais do que de reforma ‘ está sendo milimetricamente cuidadoso. Um dos trabalhos será dar a cor original às poltronas de veludo do teatro: framboesa. Para isso, estão sendo importados toneladas de besouros secos da América do Sul, como se fazia há quase dois séculos.

En 2002, descobriu-se uma bomba da II Guerra Mundial enterrada numa das entradas do teatro. Foi a última coisa a movimentar a vida do Bolshoi, desde seu fechamento para obras no ano passado. Quando começaram a trabalhar, o que os operários descobriram foi que as fundações do teatro estavam afundando ‘ 20 centímetros, pelo menos. Certas áreas do revestimento do chão e das paredes simplesmente se desintegravam simplesmente de os restauradores o tocarem.

Ainda segundo o “El Mundo”, até agora somente uma pequena parte do teatro ‘ o palco da área central ‘ está pronta. O que se teme é que o Bolshoi seja deixado de lado e que o Teatro Mariinsky (antigo rival, antes conhecido como Kirov) assuma seu lugar na história de Moscou. Para complicar ainda mais as coisas, existe um déficit de quase 160 milhões de euros no projeto de restauração.

O prazo para que os trabalhos terminem é de três anos ‘ há os que acreditam que nem em uma década o Bolshoi reabra. O que os integrantes do Balé Bolshoi temem é que três anos é muito tempo para uma profissão que tem uma carreira relativamente curta ‘ nesse período, uma estrela pode subir, alcançar seu ápice e entrar em declínio. Por conta desse desencontro de prazos e mais o estouro das verbas, o prefeito de Moscou demitiu, em fevereiro, o conselho de administração do Bolshoi.

Notícias Relacionadas

Ver tudo