Após ser alvo de buscas da PF por críticas ao STF, jovem diz: ‘Não vou me intimidar’

  • Icon instagram_blue
  • Icon youtube_blue
  • Icon x_blue
  • Icon facebook_blue
  • Icon google_blue

Depois de ser alvo de mandado de busca e apreensão por ordem do Supremo Tribunal Federal (STF), a jovem Isabella Sanches de Sousa Trevisani foi às redes sociais para dizer que não vai se intimidar. Em uma transmissão de vídeo feita através do Facebok na manhã desta terça-feira (16), Isabella, que é estudante de direito […]

POR Redação SRzd16/04/2019|3 min de leitura

Após ser alvo de buscas da PF por críticas ao STF, jovem diz: ‘Não vou me intimidar’

Isabella Sanches de Sousa Trevisani. Foto: Reprodução de Internet

| Siga-nos Google News

Depois de ser alvo de mandado de busca e apreensão por ordem do Supremo Tribunal Federal (STF), a jovem Isabella Sanches de Sousa Trevisani foi às redes sociais para dizer que não vai se intimidar.

Em uma transmissão de vídeo feita através do Facebok na manhã desta terça-feira (16), Isabella, que é estudante de direito e ex-candidata a deputada estadual de São Paulo, criticou o ministro e falou sobre a ação da Polícia Federal. Ela afirmou que não estava em casa no momento da ação, mas disse que, se estivesse, teria servido café aos policiais.

“Polícia Federal às 6hs da manhã cumpriu busca e apreensão, a pedido do ministro Alexandre de Moraes, vale ressaltar, ex-advogado do PCC, do meu computador. Eu não estava em casa, pois se estivesse teria recebido a PF com cafezinho e bolo. #PoliciaFederalOrgulhoNacional”, escreveu.

O vídeo é acompanhado das hashtags: #NãoVouMeIntimidar e #ForaDitaduraDoJudiciário . No texto, ela escreveu ainda “STF vergonha nacional, fora STF” e que Alexandre de Moraes está censurando a verdade.

Isabella disse que agentes federais estiveram em sua casa por volta das 6h, e apreenderam um computador e um tablet. Segundo ela, em sua decisão, o ministro Alexandre de Moraes também determina o bloqueio de contas em redes sociais de sete pessoas investigadas.

“Essa é a ditadura do Judiciário. Eles querem calar o povo brasileiro que luta contra eles nas ruas, eles querem impedir, censurar de todas as maneiras possíveis. Só tenho um recado a vocês: ministro Alexandre de Moraes, ministros do STF, a vez de vocês está chegando. Vou tacar mais ovos nos carros, nos prédios, onde eu conseguir. Podem me aguardar, não vou me calar, isso não vai me intimidar, não vai intimidar o povo brasileiro. Continuaremos nas ruas contra esse descaso, desrespeito e arbitrariedade que vêm fazendo contra nós.”

Na decisão, o STF diz que a jovem postou nas redes sociais propaganda de processos ilegais para alteração da ordem política e social, como numa publicação de 23 de março, em que se lê: “STF vergonha nacional! A vez de vocês está chegando”. O ministro cita ainda que, em outro momento, ela atribuiu a um ministro da Corte fato definido como crime ou ofensivo à reputação: “Esta é a recepção para ministro ladrão de toga”. Nesse vídeo, de 29 de março, ela exibiu uma cesta de ovos.

Além de Isabella, que foi candidata a deputada estadual no ano passado pelo PRTB, partido do vice-presidente Hamilton Mourão, e recebeu 512 votos, são citados na decisão o general da reserva Paulo Chagas, candidato ao governo do Distrito Federal nas últimas eleições; o escrivão de polícia de Goiás, Omar Rocha Fagundes; além de Carlos Antonio dos Santos, Erminio Aparecido Nadini, Gustavo de Carvalho e Silva e Sergio Barbosa de Barros.

Leia também:

– Raquel Dodge arquiva inquérito aberto por Toffoli para apurar ataques ao STF

Depois de ser alvo de mandado de busca e apreensão por ordem do Supremo Tribunal Federal (STF), a jovem Isabella Sanches de Sousa Trevisani foi às redes sociais para dizer que não vai se intimidar.

Em uma transmissão de vídeo feita através do Facebok na manhã desta terça-feira (16), Isabella, que é estudante de direito e ex-candidata a deputada estadual de São Paulo, criticou o ministro e falou sobre a ação da Polícia Federal. Ela afirmou que não estava em casa no momento da ação, mas disse que, se estivesse, teria servido café aos policiais.

“Polícia Federal às 6hs da manhã cumpriu busca e apreensão, a pedido do ministro Alexandre de Moraes, vale ressaltar, ex-advogado do PCC, do meu computador. Eu não estava em casa, pois se estivesse teria recebido a PF com cafezinho e bolo. #PoliciaFederalOrgulhoNacional”, escreveu.

O vídeo é acompanhado das hashtags: #NãoVouMeIntimidar e #ForaDitaduraDoJudiciário . No texto, ela escreveu ainda “STF vergonha nacional, fora STF” e que Alexandre de Moraes está censurando a verdade.

Isabella disse que agentes federais estiveram em sua casa por volta das 6h, e apreenderam um computador e um tablet. Segundo ela, em sua decisão, o ministro Alexandre de Moraes também determina o bloqueio de contas em redes sociais de sete pessoas investigadas.

“Essa é a ditadura do Judiciário. Eles querem calar o povo brasileiro que luta contra eles nas ruas, eles querem impedir, censurar de todas as maneiras possíveis. Só tenho um recado a vocês: ministro Alexandre de Moraes, ministros do STF, a vez de vocês está chegando. Vou tacar mais ovos nos carros, nos prédios, onde eu conseguir. Podem me aguardar, não vou me calar, isso não vai me intimidar, não vai intimidar o povo brasileiro. Continuaremos nas ruas contra esse descaso, desrespeito e arbitrariedade que vêm fazendo contra nós.”

Na decisão, o STF diz que a jovem postou nas redes sociais propaganda de processos ilegais para alteração da ordem política e social, como numa publicação de 23 de março, em que se lê: “STF vergonha nacional! A vez de vocês está chegando”. O ministro cita ainda que, em outro momento, ela atribuiu a um ministro da Corte fato definido como crime ou ofensivo à reputação: “Esta é a recepção para ministro ladrão de toga”. Nesse vídeo, de 29 de março, ela exibiu uma cesta de ovos.

Além de Isabella, que foi candidata a deputada estadual no ano passado pelo PRTB, partido do vice-presidente Hamilton Mourão, e recebeu 512 votos, são citados na decisão o general da reserva Paulo Chagas, candidato ao governo do Distrito Federal nas últimas eleições; o escrivão de polícia de Goiás, Omar Rocha Fagundes; além de Carlos Antonio dos Santos, Erminio Aparecido Nadini, Gustavo de Carvalho e Silva e Sergio Barbosa de Barros.

Leia também:

– Raquel Dodge arquiva inquérito aberto por Toffoli para apurar ataques ao STF

Notícias Relacionadas

Ver tudo
Abin espionou autoridades do Judiciário, do Legislativo e jornalistas; veja nomes

Investigação da Policia Federal aponta que agentes lotados na Agência Brasileira de Inteligência (Abin) utilizaram ferramentas de espionagem adquiridas pelo órgão para monitorar os movimentos de autoridades do Judiciário, do Legislativo e da Receita Federal, além de personalidades públicas, como jornalistas. Os atos irregulares teriam ocorrido durante o governo de Jair Bolsonaro. O resultado das […]

Abin espionou autoridades do Judiciário, do Legislativo e jornalistas; veja nomes

8 min de leitura