Barbárie: Morte no Sergipe gera revolta e especialista cita execução

  • Icon instagram_blue
  • Icon youtube_blue
  • Icon x_blue
  • Icon facebook_blue
  • Icon google_blue

Os agentes da PRF, a Polícia Rodoviária Federal, envolvidos numa abordagem que terminou na morte de Genivaldo de Jesus Santos, de 38 anos, admitiram que fizeram uso de spray de pimenta e gás lacrimogêneo. A informação consta do boletim oficial divulgado pela entidade nesta quinta-feira (26). Genivaldo morreu após ser preso no porta-malas de uma […]

POR Redação SRzd26/05/2022|3 min de leitura

Barbárie: Morte no Sergipe gera revolta e especialista cita execução

Morte de Genivaldo após atuação da Polícia Rodoviária Federal. Foto: Reprodução de vídeo

| Siga-nos Google News

Os agentes da PRF, a Polícia Rodoviária Federal, envolvidos numa abordagem que terminou na morte de Genivaldo de Jesus Santos, de 38 anos, admitiram que fizeram uso de spray de pimenta e gás lacrimogêneo. A informação consta do boletim oficial divulgado pela entidade nesta quinta-feira (26).

Genivaldo morreu após ser preso no porta-malas de uma viatura por policiais rodoviários federais no município de Umbaúba, no sul do estado do Sergipe. O caso que chocou o país e está repercutindo mundialmente aconteceu na tarde da última quarta.

No boletim de ocorrência os agentes também afirmam que Genivaldo faleceu “possivelmente, devido a um mal súbito”. Porém, segundo o IML, o Instituto Médico Legal de Sergipe, Genivaldo morreu por asfixia mecânica e insuficiência respiratória aguda.

Na avaliação do professor Felipe Freitas, do IDP, o Instituto Brasileiro de Ensino, Desenvolvimento e Pesquisa, o caso não se trata somente de abuso da autoridade policial, mas de escolha por executar a vítima.

“Não há dúvida que é caso de execução. Se trata de sessão de tortura seguida de execução. Não estamos falando, a meu ver, sequer de uso abusivo da força policial. Não me parece que foi um desequilíbrio, perda de controle, mas uma decisão”, disse em entrevista ao UOL News.

Logo após o sepultamento de Genivaldo, realizado nesta tarde, populares saíram em protesto pelas ruas de Umbaúba. O homem sofria de esquizofrenia e se tratava com medicamentos, deixa sua esposa e filhos.

Tweet not found

The embedded tweet could not be found…

Leia também:

+ Fome: Brasil alcança o pior cenário em insegurança alimentar desde 2006

+ De olho no futuro: Jovem deve ser o foco das campanhas eleitorais de 2022

Os agentes da PRF, a Polícia Rodoviária Federal, envolvidos numa abordagem que terminou na morte de Genivaldo de Jesus Santos, de 38 anos, admitiram que fizeram uso de spray de pimenta e gás lacrimogêneo. A informação consta do boletim oficial divulgado pela entidade nesta quinta-feira (26).

Genivaldo morreu após ser preso no porta-malas de uma viatura por policiais rodoviários federais no município de Umbaúba, no sul do estado do Sergipe. O caso que chocou o país e está repercutindo mundialmente aconteceu na tarde da última quarta.

No boletim de ocorrência os agentes também afirmam que Genivaldo faleceu “possivelmente, devido a um mal súbito”. Porém, segundo o IML, o Instituto Médico Legal de Sergipe, Genivaldo morreu por asfixia mecânica e insuficiência respiratória aguda.

Na avaliação do professor Felipe Freitas, do IDP, o Instituto Brasileiro de Ensino, Desenvolvimento e Pesquisa, o caso não se trata somente de abuso da autoridade policial, mas de escolha por executar a vítima.

“Não há dúvida que é caso de execução. Se trata de sessão de tortura seguida de execução. Não estamos falando, a meu ver, sequer de uso abusivo da força policial. Não me parece que foi um desequilíbrio, perda de controle, mas uma decisão”, disse em entrevista ao UOL News.

Logo após o sepultamento de Genivaldo, realizado nesta tarde, populares saíram em protesto pelas ruas de Umbaúba. O homem sofria de esquizofrenia e se tratava com medicamentos, deixa sua esposa e filhos.

Tweet not found

The embedded tweet could not be found…

Leia também:

+ Fome: Brasil alcança o pior cenário em insegurança alimentar desde 2006

+ De olho no futuro: Jovem deve ser o foco das campanhas eleitorais de 2022

Notícias Relacionadas

Ver tudo
Abin espionou autoridades do Judiciário, do Legislativo e jornalistas; veja nomes

Investigação da Policia Federal aponta que agentes lotados na Agência Brasileira de Inteligência (Abin) utilizaram ferramentas de espionagem adquiridas pelo órgão para monitorar os movimentos de autoridades do Judiciário, do Legislativo e da Receita Federal, além de personalidades públicas, como jornalistas. Os atos irregulares teriam ocorrido durante o governo de Jair Bolsonaro. O resultado das […]

Abin espionou autoridades do Judiciário, do Legislativo e jornalistas; veja nomes

8 min de leitura