CPI quebra de sigilo de Pazuello, Ernesto Araújo e secretários; veja a lista

  • Icon instagram_blue
  • Icon youtube_blue
  • Icon x_blue
  • Icon facebook_blue
  • Icon google_blue

A Comissão Parlamentar de Inquérito da Covid-19 votou requerimentos nesta quinta-feira (10), para quebrar os sigilos telemáticos e telefônicos de pessoas e empresas ligadas à crise da pandemia da Covid-19. Dentre os alvos estão o ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, o ex-chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, e da secretária de Gestão do Trabalho e da […]

POR Redação SRzd10/06/2021|3 min de leitura

CPI quebra de sigilo de Pazuello, Ernesto Araújo e secretários; veja a lista

CPI da Covid-19. Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

| Siga-nos Google News

A Comissão Parlamentar de Inquérito da Covid-19 votou requerimentos nesta quinta-feira (10), para quebrar os sigilos telemáticos e telefônicos de pessoas e empresas ligadas à crise da pandemia da Covid-19.

Dentre os alvos estão o ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, o ex-chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, e da secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, conhecida como “Capitã Cloroquina”. A comissão também aprovou a convocação do ministro da Controladoria-Geral da União, Wagner Rosário.

Os parlamentares querem mais esclarecimentos sobre a atuação do governo federal no processo de aquisição de vacinas e tentam identificar como operava e quem integrava o chamado “gabinete paralelo” — grupo que prestava assessoramento alternativo ao presidente Jair Bolsonaro sobre medidas de enfrentamento à pandemia do novo Coronavírus.

Com as quebras de sigilo, os senadores da CPI terão acesso às conversas telefônicas e por aplicativos de mensagens, aos históricos de pesquisas na internet e possíveis registros de locomoção, registrados em aplicativos de localização.

Confira a lista:

– Filipe Martins, assessor especial da Presidência da República;
– Ernesto Araújo, ex-ministro das Relações Exteriores;
– Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde;
– Carlos Wizard, empresário;
– Paolo Zanotto, virologista;
– Túlio Silveira, representante da Precisa Medicamentos;
– Marcellus Campelo, secretário de Saúde do Governo do Amazonas;
– Luciano Dias Azevedo, tenente-médico da Marinha do Brasil;
– Hélio Angotti Neto, secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde, do Ministério da Saúde;
– Francisco Ferreira Filho, coordenador do Comitê da Crise do Amazonas;
– Francieli Fontinato, coordenadora do Plano Nacional de Imunização (PNI);
– Antônio Elcio Franco, ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde; 
– Mayra Pinheiro, secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, do Ministério da Saúde;
– Zoser Hardman, ex-assessor especial do Ministério da Saúde;
– Flávio Werneck, ex-assessor de Relações Internacionais do Ministério da Saúde;
– Camile Giaretta Sachetti, ex-diretora do departamento de Ciência e Tecnologia da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde;
– Arnaldo Correia de Medeiros, secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde;
– Alexandre Figueiredo Costa e Silva Marques, auditor do Tribunal de Contas da União (TCU).

Laboratórios

– Francisco Emerson Maximiano, sócio da Precisa Medicamentos;
– Túlio Silveira, representante da Precisa Medicamentos.

Pessoas jurídicas

Quatro pessoas jurídicas são alvos de transferência de dados mais abrangentes:

– Associação Dignidade Médica de Pernambuco (bancário e fiscal);
– Profissionais de Publicidade Reunidos (bancário, fiscal, telefônico e telemático);
– Calya/Y2 Propaganda e Marketing (bancário, fiscal, telefônico e telemático);
– Artplan Comunicação (bancário, fiscal e telemático).

Depoimento de Wilson Lima

Na sessão desta quinta-feira (10), os senadores tinham a expectativa de ouvir o governador do Amazonas, Wilson Lima, mas um habeas corpus concedido pela ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), permitiu que o político faltasse à oitiva.

A Comissão Parlamentar de Inquérito da Covid-19 votou requerimentos nesta quinta-feira (10), para quebrar os sigilos telemáticos e telefônicos de pessoas e empresas ligadas à crise da pandemia da Covid-19.

Dentre os alvos estão o ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, o ex-chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, e da secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, conhecida como “Capitã Cloroquina”. A comissão também aprovou a convocação do ministro da Controladoria-Geral da União, Wagner Rosário.

Os parlamentares querem mais esclarecimentos sobre a atuação do governo federal no processo de aquisição de vacinas e tentam identificar como operava e quem integrava o chamado “gabinete paralelo” — grupo que prestava assessoramento alternativo ao presidente Jair Bolsonaro sobre medidas de enfrentamento à pandemia do novo Coronavírus.

Com as quebras de sigilo, os senadores da CPI terão acesso às conversas telefônicas e por aplicativos de mensagens, aos históricos de pesquisas na internet e possíveis registros de locomoção, registrados em aplicativos de localização.

Confira a lista:

– Filipe Martins, assessor especial da Presidência da República;
– Ernesto Araújo, ex-ministro das Relações Exteriores;
– Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde;
– Carlos Wizard, empresário;
– Paolo Zanotto, virologista;
– Túlio Silveira, representante da Precisa Medicamentos;
– Marcellus Campelo, secretário de Saúde do Governo do Amazonas;
– Luciano Dias Azevedo, tenente-médico da Marinha do Brasil;
– Hélio Angotti Neto, secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde, do Ministério da Saúde;
– Francisco Ferreira Filho, coordenador do Comitê da Crise do Amazonas;
– Francieli Fontinato, coordenadora do Plano Nacional de Imunização (PNI);
– Antônio Elcio Franco, ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde; 
– Mayra Pinheiro, secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, do Ministério da Saúde;
– Zoser Hardman, ex-assessor especial do Ministério da Saúde;
– Flávio Werneck, ex-assessor de Relações Internacionais do Ministério da Saúde;
– Camile Giaretta Sachetti, ex-diretora do departamento de Ciência e Tecnologia da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde;
– Arnaldo Correia de Medeiros, secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde;
– Alexandre Figueiredo Costa e Silva Marques, auditor do Tribunal de Contas da União (TCU).

Laboratórios

– Francisco Emerson Maximiano, sócio da Precisa Medicamentos;
– Túlio Silveira, representante da Precisa Medicamentos.

Pessoas jurídicas

Quatro pessoas jurídicas são alvos de transferência de dados mais abrangentes:

– Associação Dignidade Médica de Pernambuco (bancário e fiscal);
– Profissionais de Publicidade Reunidos (bancário, fiscal, telefônico e telemático);
– Calya/Y2 Propaganda e Marketing (bancário, fiscal, telefônico e telemático);
– Artplan Comunicação (bancário, fiscal e telemático).

Depoimento de Wilson Lima

Na sessão desta quinta-feira (10), os senadores tinham a expectativa de ouvir o governador do Amazonas, Wilson Lima, mas um habeas corpus concedido pela ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), permitiu que o político faltasse à oitiva.

Notícias Relacionadas

Ver tudo
Abin espionou autoridades do Judiciário, do Legislativo e jornalistas; veja nomes

Investigação da Policia Federal aponta que agentes lotados na Agência Brasileira de Inteligência (Abin) utilizaram ferramentas de espionagem adquiridas pelo órgão para monitorar os movimentos de autoridades do Judiciário, do Legislativo e da Receita Federal, além de personalidades públicas, como jornalistas. Os atos irregulares teriam ocorrido durante o governo de Jair Bolsonaro. O resultado das […]

Abin espionou autoridades do Judiciário, do Legislativo e jornalistas; veja nomes

8 min de leitura