Gilmar Mendes manda soltar Alexandre Baldy, secretário de Doria

  • Icon instagram_blue
  • Icon youtube_blue
  • Icon x_blue
  • Icon facebook_blue
  • Icon google_blue

Em decisão liminar (temporária), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes mandou soltar o secretário de Transportes de São Paulo, Alexandre Baldy. Ele estava preso desde esta quinta-feira por decisão do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro. Na decisão desta sexta-feira (7), Bretas citou um relatório do […]

POR Redação SRzd08/08/2020|2 min de leitura

Gilmar Mendes manda soltar Alexandre Baldy, secretário de Doria

Alexandre Baldy e Joao Doria. Foto: Reprodução

| Siga-nos Google News

Em decisão liminar (temporária), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes mandou soltar o secretário de Transportes de São Paulo, Alexandre Baldy. Ele estava preso desde esta quinta-feira por decisão do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro.

Na decisão desta sexta-feira (7), Bretas citou um relatório do Coaf que levanta indícios de que Baldy escondeu dinheiro recebido de propina. As investigações sugerem que ele tenha sido beneficiado por repasses de gestores da Pró-Saúde, uma OS, no período em que foi deputado federal e ministro das Cidades (2014 a 2018).

A PF apreendeu R$ 250 mil em endereços ligados a Baldy. Em um imóvel de Brasília, agentes encontraram R$ 90 mil. Também alvo de mandado, um local em Goiânia continha R$ 115 mil, também apreendidos. Em São Paulo, o montante retido pela corporação foi de R$ 45 mil. Baldy pediu licença de 30 dias do cargo no governo paulista para trabalhar a sua defesa.

O secretário de Doria é citado em escândalos de corrupção em Goiás desde 2012. Baldy e seus familiares já foram investigados por ligações com o bicheiro Carlinhos Cachoeira durante sua atuação como Secretário da Indústria e Comércio do estado, entre 2010 e 2012.










Em decisão liminar (temporária), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes mandou soltar o secretário de Transportes de São Paulo, Alexandre Baldy. Ele estava preso desde esta quinta-feira por decisão do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro.

Na decisão desta sexta-feira (7), Bretas citou um relatório do Coaf que levanta indícios de que Baldy escondeu dinheiro recebido de propina. As investigações sugerem que ele tenha sido beneficiado por repasses de gestores da Pró-Saúde, uma OS, no período em que foi deputado federal e ministro das Cidades (2014 a 2018).

A PF apreendeu R$ 250 mil em endereços ligados a Baldy. Em um imóvel de Brasília, agentes encontraram R$ 90 mil. Também alvo de mandado, um local em Goiânia continha R$ 115 mil, também apreendidos. Em São Paulo, o montante retido pela corporação foi de R$ 45 mil. Baldy pediu licença de 30 dias do cargo no governo paulista para trabalhar a sua defesa.

O secretário de Doria é citado em escândalos de corrupção em Goiás desde 2012. Baldy e seus familiares já foram investigados por ligações com o bicheiro Carlinhos Cachoeira durante sua atuação como Secretário da Indústria e Comércio do estado, entre 2010 e 2012.










Notícias Relacionadas

Ver tudo
Abin espionou autoridades do Judiciário, do Legislativo e jornalistas; veja nomes

Investigação da Policia Federal aponta que agentes lotados na Agência Brasileira de Inteligência (Abin) utilizaram ferramentas de espionagem adquiridas pelo órgão para monitorar os movimentos de autoridades do Judiciário, do Legislativo e da Receita Federal, além de personalidades públicas, como jornalistas. Os atos irregulares teriam ocorrido durante o governo de Jair Bolsonaro. O resultado das […]

Abin espionou autoridades do Judiciário, do Legislativo e jornalistas; veja nomes

8 min de leitura