Lixo hospitalar é despejado irregularmente em terreno em São Gonçalo

  • Icon instagram_blue
  • Icon youtube_blue
  • Icon x_blue
  • Icon facebook_blue
  • Icon google_blue

Equipes do Meio Ambiente e Limpeza Urbana da Prefeitura de São Gonçalo encontraram, nesta quinta-feira (7), lixo hospitalar identificado como de pacientes com Covid-19 internados no Hospital Universitário Gaffrée e Guinle, no Maracanã, na Zona Norte da cidade do Rio, sendo descartados em um terreno baldio, no bairro Boa Vista, próximo á BR-101. As equipes […]

POR Redação SRzd08/05/2020|3 min de leitura

Lixo hospitalar é despejado irregularmente em terreno em São Gonçalo

Lixo hospitalar é despejado irregularmente em terreno em São Gonçalo. Foto: Divulgação

| Siga-nos Google News

Equipes do Meio Ambiente e Limpeza Urbana da Prefeitura de São Gonçalo encontraram, nesta quinta-feira (7), lixo hospitalar identificado como de pacientes com Covid-19 internados no Hospital Universitário Gaffrée e Guinle, no Maracanã, na Zona Norte da cidade do Rio, sendo descartados em um terreno baldio, no bairro Boa Vista, próximo á BR-101.

As equipes chegaram ao local após denúncia de uma moradora da rua Belmiro Braga, que ao passar pela via se deparou com o material. Após serem acionados, os fiscais foram ao local e durante o recolhimento, que foi feito pela equipe própria de coleta de resíduos hospitalares, identificaram materiais hospitalares da unidade localizada na cidade do Rio de Janeiro.

Luvas, máscaras, lençóis e outros materiais descartados possivelmente utilizados por pacientes se encontravam no local. As sacolas descartadas tinham a identificação do hospital universitário, bem como identificação e número do leito de uma paciente com covid-19 com data de internação no último dia 28/04.

“Todo administrador dos serviços de saúde tem conhecimento da regulamentação sobre o descarte de resíduos. O que aconteceu é irregular e crime ambiental. O descarte desse material é de responsabilidade da unidade de onde saiu. Neste caso, ainda é de outra cidade. Isso é questão de saúde pública. O espaço em que o lixo hospitalar é depositado deve ser preparado para evitar contaminação do solo e problemas para o meio ambiente!”, declara o subsecretário de Limpeza Urbana, Marco Porto.

Em abril, a mesma equipe da empresa Marquise Ambiental já havia recolhido lixo hospitalar abandonado na rua Jurumenha, no Barro Vermelho, identificado como material da unidade particular, Hospital e Clínicas São Gonçalo, no Centro.

Os geradores de qualquer tipo de resíduo são os responsáveis pela sua destinação final. Sendo obrigatório efetuar o manifesto de resíduo do material, com as informações do gerador, o transportador e o destino do resíduos dentre outras. Todos eles devem estar devidamente licenciados pelos órgãos ambientais competentes. Isso também será apurado através de processo administrativo.













Equipes do Meio Ambiente e Limpeza Urbana da Prefeitura de São Gonçalo encontraram, nesta quinta-feira (7), lixo hospitalar identificado como de pacientes com Covid-19 internados no Hospital Universitário Gaffrée e Guinle, no Maracanã, na Zona Norte da cidade do Rio, sendo descartados em um terreno baldio, no bairro Boa Vista, próximo á BR-101.

As equipes chegaram ao local após denúncia de uma moradora da rua Belmiro Braga, que ao passar pela via se deparou com o material. Após serem acionados, os fiscais foram ao local e durante o recolhimento, que foi feito pela equipe própria de coleta de resíduos hospitalares, identificaram materiais hospitalares da unidade localizada na cidade do Rio de Janeiro.

Luvas, máscaras, lençóis e outros materiais descartados possivelmente utilizados por pacientes se encontravam no local. As sacolas descartadas tinham a identificação do hospital universitário, bem como identificação e número do leito de uma paciente com covid-19 com data de internação no último dia 28/04.

“Todo administrador dos serviços de saúde tem conhecimento da regulamentação sobre o descarte de resíduos. O que aconteceu é irregular e crime ambiental. O descarte desse material é de responsabilidade da unidade de onde saiu. Neste caso, ainda é de outra cidade. Isso é questão de saúde pública. O espaço em que o lixo hospitalar é depositado deve ser preparado para evitar contaminação do solo e problemas para o meio ambiente!”, declara o subsecretário de Limpeza Urbana, Marco Porto.

Em abril, a mesma equipe da empresa Marquise Ambiental já havia recolhido lixo hospitalar abandonado na rua Jurumenha, no Barro Vermelho, identificado como material da unidade particular, Hospital e Clínicas São Gonçalo, no Centro.

Os geradores de qualquer tipo de resíduo são os responsáveis pela sua destinação final. Sendo obrigatório efetuar o manifesto de resíduo do material, com as informações do gerador, o transportador e o destino do resíduos dentre outras. Todos eles devem estar devidamente licenciados pelos órgãos ambientais competentes. Isso também será apurado através de processo administrativo.













Notícias Relacionadas

Ver tudo
Abin espionou autoridades do Judiciário, do Legislativo e jornalistas; veja nomes

Investigação da Policia Federal aponta que agentes lotados na Agência Brasileira de Inteligência (Abin) utilizaram ferramentas de espionagem adquiridas pelo órgão para monitorar os movimentos de autoridades do Judiciário, do Legislativo e da Receita Federal, além de personalidades públicas, como jornalistas. Os atos irregulares teriam ocorrido durante o governo de Jair Bolsonaro. O resultado das […]

Abin espionou autoridades do Judiciário, do Legislativo e jornalistas; veja nomes

8 min de leitura