Pesquisa Ipsos indica que os brasileiros nunca foram tão felizes; veja os detalhes

  • Icon instagram_blue
  • Icon youtube_blue
  • Icon x_blue
  • Icon facebook_blue
  • Icon google_blue

Os brasileiros nunca foram tão felizes. É o que indica pesquisa do instituto Ipsos que avaliou a felicidade da população em 32 países. No Brasil, 83% dos entrevistados consideram-se muito felizes ou felizes. Isso representa alta de 20 pontos percentuais em relação ao último levantamento, feito em dezembro de 2021, quando o índice foi de 63%. No […]

POR Redação SRzd15/03/2023|2 min de leitura

Pesquisa Ipsos indica que os brasileiros nunca foram tão felizes; veja os detalhes

Queima de Fogos – 200 Anos de Independência do Brasil na Torre de Televisão em Brasília. Foto: Marcelo Casal Jr./Agência Brasil

| Siga-nos Google News

Os brasileiros nunca foram tão felizes. É o que indica pesquisa do instituto Ipsos que avaliou a felicidade da população em 32 países.

No Brasil, 83% dos entrevistados consideram-se muito felizes ou felizes. Isso representa alta de 20 pontos percentuais em relação ao último levantamento, feito em dezembro de 2021, quando o índice foi de 63%. No mundo, a percepção de felicidade também subiu, de 67% para 73%.

No caso brasileiro, foi o melhor resultado desde que a pesquisa começou a ser feita, em dezembro de 2011 — até então, o pico de felicidade ocorrera em maio de 2013, quando 81% dos entrevistados se consideravam muito felizes ou felizes.

O Brasil foi o quinto colocado do ranking global de felicidade, atrás apenas da China (91%), Arábia Saudita (86%), Holanda (85%) e Índia (84%). Os cidadãos menos felizes são os húngaros (50%), sul-coreanos (57%) e poloneses (58%).

O Brasil ficou em quarto como o país com o maior crescimento na percepção de felicidade (20 pontos percentuais), atrás apenas de Colômbia, Chile e Argentina, que apresentaram crescimento de 26 pontos percentuais no mesmo período. Os britânicos, franceses e poloneses foram os que ficaram menos felizes nessa mesma base de comparação. A queda foi de 13 pontos percentuais para o Reino Unido e sete pontos percentuais para França e Polônia ante dezembro de 2021.

O ponto mais baixo da série entre os brasileiros foi em 2017, quando apenas 56% dos entrevistados afirmaram estar felizes ou muito felizes. Entre os anos de 2019 e 2021, o índice ficou na casa dos 60%.

Os brasileiros nunca foram tão felizes. É o que indica pesquisa do instituto Ipsos que avaliou a felicidade da população em 32 países.

No Brasil, 83% dos entrevistados consideram-se muito felizes ou felizes. Isso representa alta de 20 pontos percentuais em relação ao último levantamento, feito em dezembro de 2021, quando o índice foi de 63%. No mundo, a percepção de felicidade também subiu, de 67% para 73%.

No caso brasileiro, foi o melhor resultado desde que a pesquisa começou a ser feita, em dezembro de 2011 — até então, o pico de felicidade ocorrera em maio de 2013, quando 81% dos entrevistados se consideravam muito felizes ou felizes.

O Brasil foi o quinto colocado do ranking global de felicidade, atrás apenas da China (91%), Arábia Saudita (86%), Holanda (85%) e Índia (84%). Os cidadãos menos felizes são os húngaros (50%), sul-coreanos (57%) e poloneses (58%).

O Brasil ficou em quarto como o país com o maior crescimento na percepção de felicidade (20 pontos percentuais), atrás apenas de Colômbia, Chile e Argentina, que apresentaram crescimento de 26 pontos percentuais no mesmo período. Os britânicos, franceses e poloneses foram os que ficaram menos felizes nessa mesma base de comparação. A queda foi de 13 pontos percentuais para o Reino Unido e sete pontos percentuais para França e Polônia ante dezembro de 2021.

O ponto mais baixo da série entre os brasileiros foi em 2017, quando apenas 56% dos entrevistados afirmaram estar felizes ou muito felizes. Entre os anos de 2019 e 2021, o índice ficou na casa dos 60%.

Notícias Relacionadas

Ver tudo
Abin espionou autoridades do Judiciário, do Legislativo e jornalistas; veja nomes

Investigação da Policia Federal aponta que agentes lotados na Agência Brasileira de Inteligência (Abin) utilizaram ferramentas de espionagem adquiridas pelo órgão para monitorar os movimentos de autoridades do Judiciário, do Legislativo e da Receita Federal, além de personalidades públicas, como jornalistas. Os atos irregulares teriam ocorrido durante o governo de Jair Bolsonaro. O resultado das […]

Abin espionou autoridades do Judiciário, do Legislativo e jornalistas; veja nomes

8 min de leitura