Saiba mais sobre a arritmia cardíaca

  • Icon instagram_blue
  • Icon youtube_blue
  • Icon x_blue
  • Icon facebook_blue
  • Icon google_blue

No dia 10 de junho publicamos este artigo do cardiologista Eduardo Saad sobre a importância de se acompanhar os batimentos acelerados do coração. Ali podem estar os sintomas da fibrilação atrial.

POR Redação SRzd17/06/2006|4 min de leitura

Saiba mais sobre a arritmia cardíaca
| Siga-nos Google News

Denomina-se arritmia cardíaca a todo batimento cardíaco descompassado, com perda do ritmo normal das batidas do coração. A arritmia cardíaca mais comum, tanto em pessoas com coração normal ou com doenças do coração, é a fibrilação atrial. O termo se refere a uma total desorganização no batimento das cavidades cardíacas superiores, chamadas de átrios, que podem chegar a 500 contrações por minuto nesta circunstância. Cerca de 2,5 milhões de americanos apresentam o problema, responsável por um terço das hospitalizações por distúrbios do ritmo cardíaco. Esta arritmia pode ocorrer de maneira silenciosa, ou seja, sem causar qualquer sintoma e ser descoberta durante um eletrocardiograma de rotina. Em outros pacientes, a fibrilação atrial pode estar associada à sensação de coração disparado (palpitações), falta de ar, dor no peito, tonturas e desmaios.

A fibrilação atrial é a quinta maior causa de internação Sistema Énico de Saúde (SUS). Estudos recentes mostram que, em pessoas saudáveis acima dos 40 anos, uma a cada quatro desenvolverá a arritmia ao longo da vida, o que representa um grande risco para o paciente, pois pode causar embolia cerebral (má irrigação das artérias do cérebro) e levar a seqüelas importantes e até mesmo à morte. A mortalidade de pacientes com o problema é aproximadamente duas vezes maior que a da população normal. Um dos fatores mais importantes no tratamento dessa arritmia é a prevenção do derrame cerebral (conhecido como AVC). Um de cada seis AVCs ocorre em pacientes que possuem fibrilação atrial e, a cada ano, em média 7% destes correm o risco de sofrer um AVC. Isso representa um aumento de até sete vezes em relação ao risco para a população em geral.

Tradicionalmente, a doença é tratada com remédios para combater os sintomas e prevenir a formação de coágulos no coração, causadores de AVCs, além de choque elétrico para reverter a arritmia. Porém, estas formas de tratamento muitas vezes não são capazes de controlar os sintomas e impedir a recorrência. Uma nova opção de tratamento é o método chamado ablação por cateter com radiofreqüência que age diretamente no foco do problema, através de uma cauterização da região causadora da doença, ao redor das veias pulmonares (veias que trazem o sangue oxigenado dos pulmões para o lado esquerdo do coração). A cauterização pode ser guiada por uma sonda de ultra-som colocada dentro do coração, com grande precisão e segurança, sendo todo o procedimento realizado através de uma punção de uma veia na virilha. O método permite a cura da arritmia em 85% dos casos, sendo indicado para pessoas que apresentam a arritmia mesmo com o uso de medicação. As chances de complicações são pequenas, inferiores a 1%.

A recuperação é muito rápida e simples. Seis horas depois da realização do procedimento o paciente é liberado para se movimentar. A alta hospitalar geralmente acontece no dia seguinte e pode-se voltar ao trabalho em dois ou três dias. A prática de exercícios físicos é permitida após uma semana.

A ablação por cateter é hoje o único método capaz de curar definitivamente a arritmia, eliminando a necessidade de medicações e remédios anticoagulantes (para afinar o sangue e reduzir o risco de AVC). A manutenção do ritmo cardíaco normal proporciona também uma melhor qualidade de vida aos pacientes e um retorno rápido
às atividades habituais, sem nenhum tipo de restrição.

Eduardo Saad é coordenador do Centro de Fibrilação Atrial do Hospital Pró-Cardíaco, membro da Sociedade Brasileira de Cardiologia, da Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas e do Dept. de Estimulação Cardíaca Artificial (Sociedade. Brasileira. de Cirurgia Cardíaca), Especialista em Arritmia e Estimulação Cardíaca pela Cleveland Clinic Foundation.

Email: ebsaad@uol.com.br

Notícias Relacionadas

Ver tudo
Não categorizado
Dermatologista alerta para cuidados com o sol

Para se proteger do sol, o dermatologista Murilo Drummond, da Sociedade Brasileira de Dermatologia, explica alguns cuidados que as pessoas devem ter, seja no sol quente do verão quanto em outras épocas. Como se proteger A forma correta de se proteger dos danos dos raios solares é a aplicação diária do filtro solar, faça chuva ou […]

Dermatologista alerta para cuidados com o sol

2 min de leitura

Não categorizado
Cientistas estudam inativação do vírus da Zika

Pesquisadores do Instituto de Bioquímica Médica Leopoldo de Meis, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), estudam a inativação do vírus da Zika como um possível caminho para o desenvolvimento de uma vacina contra a doença. Ainda em fase inicial, a pesquisa foi um dos estudos sobre arboviroses apresentados durante um seminário que reuniu […]

Cientistas estudam inativação do vírus da Zika

3 min de leitura

Não categorizado
Médico questiona ligação entre miopia e falta de sol

A miopia, dificuldade de enxergar à distância, uma das alterações oculares que mais cresce no mundo, pode ser combatida entre adultos pela maior exposição à radiação UV (ultravioleta) emitida pelo sol durante a adolescência e juventude. Esta é a principal conclusão de uma pesquisa inédita que acaba de ser publicada no renomado periódico “Jama Ophthalmology”. […]

Médico questiona ligação entre miopia e falta de sol

4 min de leitura

Não categorizado
Mude seu cardápio para deixar o coração mais saudável

A busca por uma alimentação equilibrada geralmente traz dúvidas sobre quais alimentos devem ser consumidos com maior frequência ou não. Os óleos vegetais e seus derivados, como o creme vegetal, por exemplo, podem ser grandes aliados dentro de um estilo de vida saudável. Em sua composição são encontrados nutrientes essenciais de que o corpo necessita, […]

Mude seu cardápio para deixar o coração mais saudável

3 min de leitura