Caso Djidja: delegado aponta quem apresentou cetamina à família

  • Icon instagram_blue
  • Icon youtube_blue
  • Icon x_blue
  • Icon facebook_blue
  • Icon google_blue

Djidja Cardoso. A morte da ex-sinhazinha do Boi Garantido completa 15 dias nesta terça-feira (11). Um caso enigmático que envolve abuso de cetamina, um grupo religioso familiar, criado pela família da empresária, que promovia o uso indiscriminado da substância anestésica que causa alucinações e dependência. De acordo com o delegado titular do 1º Distrito Integrado […]

POR Redação SRzd11/06/2024|3 min de leitura

Caso Djidja: delegado aponta quem apresentou cetamina à família
| Siga-nos Google News

Djidja Cardoso. A morte da ex-sinhazinha do Boi Garantido completa 15 dias nesta terça-feira (11). Um caso enigmático que envolve abuso de cetamina, um grupo religioso familiar, criado pela família da empresária, que promovia o uso indiscriminado da substância anestésica que causa alucinações e dependência.

De acordo com o delegado titular do 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP), Cícero Túlio, o responsável por apresentar a cetamina para a família de Djidja foi o próprio irmão, Ademar Farias Cardoso Neto, de 29 anos, que está preso desde o fim do mês passado.

Em suas redes sociais, Ademar Cardoso se apresentava como uma espécie de “guru” que poderia ajudar as pessoas a “sair da Matrix”, que seria ir para o “plano superior”. Atualmente, seu perfil no Instagram está fechado.

Investigação

O delegado responsável pelo caso afirmou ao G1 que o rapaz conheceu a medicação, usada pela seita Pai, Mãe, Vida, durante um tratamento contra dependência química que fez em Londres, na Inglaterra.

Segundo o delegado, os familiares de Djidja já tinham contato com outros entorpecentes antes de Ademar viajar. Ao retornar para Manaus, ele teve contato com um casal que teria lhe apresentado a cetamina em pó.

“A partir de então, ele e seus familiares começaram a fazer uma espécie de experimentação para descobrir qual seria a melhor forma de utilização [da cetamina], visando render mais aplicações e consumo. Foi assim que chegaram à forma de aplicação subcutânea, que permite a injeção do medicamento diretamente no tecido que fica abaixo da camada superficial da pele e acima do tecido muscular”, detalhou Cícero Túlio.

De acordo com as investigações, além de fazer uso da droga, Cleusimar Cardoso, mãe de Djidja e de Ademar, começou a realizar uma espécie de culto onde fazia uma interpretação equivocada da doutrina apresentada no livro Cartas de Cristo.

O grupo religioso tinha na cetamina um portal para alcançar uma falsa plenitude espiritual. Segundo os policiais, os rituais eram realizados dentro dos salões de beleza e na residência da família, onde foram encontradas ampolas de cetamina, seringas e agulhas.

Além da cetamina, um novo desdobramento das investigações apontou que o grupo também utilizava anabolizantes e outras drogas. Ao todo, dez pessoas estão presas por ligação com o esquema.

Djidja Cardoso
Djidja Cardoso. Reprodução do Instagram/Djidja Cardoso

Últimas horas de Djidja

Djidja Cardoso foi encontrada morta dentro da própria casa, onde morava com a mãe e o irmão, no dia 28 de maio. Dois dias após a morte, a Polícia Civil do Amazonas deflagrou a Operação Mandrágora, que resultou na prisão de Cleusimar e Ademar Cardoso, mãe e irmão de Djidja, além de Verônica Seixas, e Claudiele da Silva, funcionários da família.

Novos vídeos obtidos e divulgados pela Rede Amazônica, afiliada da Rede Globo, mostram as últimas horas da vida da ex-sinhazinha do Boi Garantido.

Segundo a emissora, as imagens foram gravadas no final da noite de 27 de maio e na madrugada do dia seguinte, data da morte da empresária.

No registro, feito pelo ex-namorado de Djidja, Bruno Roberto, é possível vê-la segurando um frasco de cetamina na mão esquerda e uma seringa, na mão direita.

Notícias Relacionadas

Ver tudo